segunda-feira, 14 de maio de 2012

Desafios

Fiquei surpresa ao ver que após apenas um mês da divulgação do blog já alcançamos mais de 1.000 (mil) visualizações! O mapa dos acessos comprova que tem muita gente vendo, sentindo e vivendo novas experiências pelo mundo afora...

Isso fez-me lembrar do convite que fiz para a nossa festa de despedida de Brasília. Desde que li essa mensagem de Amyr Klink, ela ecoa em minha mente. Principalmente nos momentos em que as dificuldades do dia-a-dia aparecem.


Por falar em dificuldades do dia-a-dia, vou aproveitar e explicar um pouco melhor (a pedido da amiga Luiza Horta) quais foram e estão sendo as nossas principais dificuldades aqui em Libreville. Mas antes, gostaria de compartilhar o motivo de termos escolhido o Gabão para essa nossa primeira remoção. Ao final do post, deixo algumas dicas para aqueles que vão topar em breve sair para sua primeira missão ou que, por qualquer motivo, pensam em se aventurar em destinos menos conhecidos e familiares.

O Gabão nos chamou a atenção por diversos bons e inesperados motivos. Mais ou menos em ordem de prioridade, foram eles:

  1. Vontade de viver na África;
  2. País politicamente estável e seguro - foi preciso estudo, muito estudo para analisar as possibilidades de crises futuras (não temos um perfil excessivamente aventureiro...);
  3. País economicamente mais desenvolvido que a média da região (PIB per capita PPP de mais de US$ 16 mil, ainda mais em Libreville, enquanto o do Brasil é de cerca de US$ 12 mil);
  4. País de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) médio, o mais alto de toda África Subsaariana e um dos mais altos entre todos os postos disponíveis para as missões diplomáticas que foram oferecidas à turma 2010-2012 do Instituto Rio Branco.
  5. Cidade estruturada. Vídeos e fotos (youtube, google, blogs) da cidade mostravam que além da vantagem de ser uma cidade de praia, com uma bela vista e boas oportunidades de passeios e turismo, era uma cidade organizada, grande e asfaltada (!)
  6. Falar francês. O Cassiano queria viver em um país francófono, para adquirir fluência, e eu gostaria de aprender.

Então, se você está seguro das suas decisões, tudo se torna mais fácil! ;)

Vamos aos desafios, especificamente aqui para o Gabãozinho:

Aeroporto. Ao desembarcar no "Aéroport Léon Mba", antes mesmo da imigração, tem um balcão para a conferência das carteiras de vacinação. É obrigatória a vacina contra a febre-amarela. Achei o controle de entrada até mais rigoroso do que aquele dos Estados Unidos. Os policiais não são exatamente cordiais. A entrada no país também exige visto (exceto para passaportes diplomáticos). Mesmo que eu estivesse vindo de Johannesburg (África do Sul), foi aqui que eu me senti entrando realmente na África. Saímos do Brasil com 5 malas, mas chegamos aqui com 6 e não por consumismo. Foi porque tivemos que comprar uma mala extra no aeroporto (ainda em Curitiba) para dividir o peso, o máximo são 32 kg por mala - sem negociação.

Clima. Depois da experiência do aeroporto veio a adaptação ao clima. O calor era algo que me incomodava, mas vejam bem: era. Pois, em todos lugares há ar condicionado e hoje (depois de quase 2 meses aqui), suporto o calor com mais tranquilidade. A mínima média é de 23 graus e a máxima de 29 graus.

Ritmo da cidade. Entrar no ritmo das coisas, das pessoas, do cotidiano leva tempo e demanda paciência. Essa é uma parte difícil. Ao meio dia diversos estabelecimentos comerciais fecham para a sieste e retornam às 15 horas, outros abrem às 9 horas e encerram às 16 horas... Não existe uma regra muito clara. Então você precisa estar sempre alerta para horários. Domingo, quase nada abre.

Água e Luz. Considerando que os estrangeiros vêm em geral em circunstâncias financeiras favoráveis, é possível encontrar imóveis com geradores de energia e bomba d'água, o que torna a vida completamente normal. Caso o prédio/casa não tenha gerador, pode-se ter algum problema em determinadas épocas. No momento, tudo está normal. As pessoas dizem que, em geral, os serviços funcionam bem.

Internet. Mesma situação. É caríssima e mais lenta (1MB), considerando os padrões brasileiros. Mas existe e não chega a irritar pela lentidão.  Problema com o servidor eventualmente acontecem, no entanto, e isso pode irritar muito aqueles que não podem ficar 1 dia sem acessar a rede. No momento, nossa rede acusa cerca de 256 kbps de velocidade, o que a gente usava no Brasil há uns 4 anos atrás (acho).

Telefone celular. São em geral no modo pré-pago, porém as ligações são baratas. Ligar para o Brasil é barato. A dificuldade está em não esquecer de comprar créditos! Funciona a internet pelo celular, mas na versão EDGE (mais ou menos equivalente a um "2,5G").

TV. Saímos do hotel que oferecia míseras opções de canais e agora estamos em um apartamento (ainda provisório) com TV a cabo http://www.canalplus-afrique.com/. Muito tranquilo! Tem tudo e até radio latina e novela da globo! Uns 100 canais!



Imóveis. Aqui em Libreville sofre-se com a falta de ofertas. Muitos prédios, porém, estão sendo construídos, com instalações modernas. Nós procuramos muito e encontramos um apartamento, porém, o prédio está sendo finalizado e nos mudaremos para lá em julho (quando nossa mudança já deve ter chegado aqui - eu espero!) Abaixo fotos do apartamento que moramos, e do nosso futuro prédio - que está sendo finalizado.



Compras. Sistema bancário incipiente, portanto, compras quase sempre em dinheiro. Existe uma grande desconfiança em relação ao cartão de crédito. Existem poucos lugares com as maquininhas, onipresentes no Brasil. Chega-se ao ponto - em alguns lugares - de ser necessário preencher uma ficha e fazer uma declaração manuscrita de que será feito o pagamento. Ah, e não se esqueça de, antes de sair de uma loja, mostrar o comprovante de suas compras para o segurança. Caso não faça isso, ele vai ficar gritando para que você volte. Até que eu entendesse que era para fazer isso, já estava a loja toda me olhando! Nunca mais esqueci de mostrar meus recibos! Haha.

Saúde. Temos nos precavido bastante. Lavado bem as frutas e legumes. Cozinhando bem os alimentos, tomando água mineral e cozinhando com ela. Não saindo à noite (para lugares abertos) sem repelente. Tem boas clínicas, dentistas, muitos franceses. Quando alguém está com malária (muito comum), basta tomar os medicamentos que existem aos montes por aqui e alguns dias de repouso e todo mundo fica bem.  O segredo é que, ao sentir os sintomas, as pessoas sabem identificar rapidamente a doença. Em alguns casos pode-se ficar internado, mas a maioria das pessoas se trata em casa.  Tem muitas farmácias pela cidade, sempre as vejo abertas mas não garanto que sejam 24 horas.

Transporte. É preciso comprar um carro ou se acostumar a andar nos taxis mal cheirosos. Passagens aéreas  para outros países são caríssimas, pela falta de demanda e pelas poucas opções de rotas. Aqui tem voos diretos para Paris, Frankfurt, Jo'burg, Casablanca, Adis Abeba e mais algumas capitais africanas das cercanias.
Gasolina é mais barata que no Brasil. Ir para o interior acho que é um desafio. No interior existem parques nacionais e lindas reservas, há um trem que faz o percurso e o problema é que ele pode atrasar muito (ouvi relatos de atrasos de 6 horas) e nem quero pensar no caso do trem quebrar no meio do caminho. Muita gente faz o percurso de carro (precisa ser um 4x4), mas também prefiro não pensar no caso de o carro pifar no trajeto... quando nós formos (?) eu conto para vocês.

Produtos. Mais uma vez: caros. Os estrangeiros, costumam viver bem aqui. Carnes paraguaias, argentinas e brasileiras.

Serviços domésticos. Tem muita gente querendo trabalhar! Muitas faxineiras, cozinheiros, jardineiros, motoristas, mordomos, seguranças... São africanos de outros países que imigraram para Libreville em busca de trabalho, assim são pessoas muito prestativas e gentis. Não cobram muito caro e é um serviço de qualidade. Como na Europa ou nos EUA, os gaboneses não fazem mais trabalhos manuais, tudo fica com os imigrantes.

Relacionamentos. Aqui existem muitos europeus e chineses, mas em especial franceses, que desde a colonização mantêm forte relacionamento econômico e político com o Gabão. Sendo assim, como em qualquer lugar, o colonizado não vê com muito bons olhos o colonizador, mas as relações fluem quase que normalmente. É muito importante mostrar gentilezas, sorrir, ser simpático e aí, em poucos dias você já tem um amigo e alguém de confiança. Uma moça que trabalha aqui, no nosso apartamento, não foi muito simpática comigo nos primeiros dias, mas aos poucos eu fui conversando com ela e, agora, depois de uma semana, ela já está muito mais solícita e me ajudando muito com o francês.
Existe também a classe alta gabonesa. E é numerosa... Já vimos Ferraris novas e aqueles Porsche Cayenne são super comuns.

Língua. Eu ainda estou engatinhando com o francês, mas já consigo fazer tudo que preciso. O problema é que existe o francês e o "français du quartier" (do bairro). Então, não ache que fazendo seu "cursinho na Aliança Francesa" você vai conseguir se virar na rua... ahahaha. É um pouco difícil, mas seus ouvidos vão se acostumando... Eu já saio dirigindo por aí e falando com o pessoal! Já tenho amigos pela cidade... um florista, uma vendedora de loja, um ajudante do mercado...

Para os marinheiros de primeira viagem, aí vão umas dicas:
  • Para saber mais sobre como é realmente uma cidade, não busque apenas fotos e sites (diversas fotos estavam desatualizadas e quase não existem sites por aqui). Procure por vídeos no YouTube feitos em carros, taxis pela cidade. Dá uma visão bem mais próxima da realidade. 
  • Leve em sua bagagem livros, filmes e uma boa discografia. Os livros que eu trouxe eu já terminei e agora, para ler, só em francês... e nada da minha bagagem chegar!
  • Se sua mudança está indo de navio, se prepare para passar bons meses sem ela! Retiraram da nossa casa - em Brasília - dia 29 de fevereiro e até agora não sabemos quando vai chegar. O prazo era 60 dias, mas estamos chegando nos 90...
  • Leve suas principais roupas, não mande tudo por container. Um pouco de tudo é necessário! Praia, piscina, academia, festas, festas, festas...
  • Estar preparada para o pior é sempre melhor... a estadia se torna mais agradável. =)

Aprendendo...

11 comentários:

  1. Gabriela Oliveira15 de maio de 2012 15:32

    Celina, gostei muito dos seus posts! Especialmente aquele sobre o nome do blog! Identifiquei-me demais com tudo o que vc disse, claro, e espero conseguir me sair bem no mesmo papel aqui em Cotonou! Ainda bem que eu não resolvi fazer um blog também, porque nossos posts seriam muito parecidos! É incrível como as nossas experiências estão sendo parecidas! Eu e o João já estamos nos organizando para irmos visitá-los e queremos muito receber a visita de vcs o quante antes!

    Bjos de Cotonou e até muito breve!

    Gabi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, fiquei muito feliz com sua mensagem! De certa forma, é muito saber saber que não estou sozinha nessa! ahaha Com certeza vamos nos encontrar! Qualquer coisa, me manda e-mail: celinarn@gmail.com! Beijos e boas aventuras por aí!

      Excluir
  2. Amiga, ta fazendo um OTIMO trabalho para quem vai (ou pensa em) mudar pra fora! Ficar acustomada a tudo leva um tempo mesmo.. principalmente quando o idioma e cultra e muito diferente do nosso. Mas vai chegar la! O caminho inteiro eh adventura.

    Adoro os detalhes do dia-a-dia. Mostra como coisas nos paises mais afastados do mundo sao tao diferentes... e muito similares no mesmo tempo ;)

    bjus desde Florida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Evette, minha amiga de tantas aventuras, hoje entendo grande parte das situações que você passou ao morar no Brasil. Não é fácil se adaptar, entender os costumes e mais difícil ainda, entender as piadas!

      Você soube viver todas as experiências de forma leve e divertida e eu também quero conseguir isso por aqui. Espero a sua visita para mais um round de aventuras, agora na África!

      Um beijo grande!!!

      Excluir
  3. Celina, parabéns pela iniciativa do blog e pela execução do projeto até aqui. Sou da turma 2011-2013, subsequente à de Cassiano. Relatos como os seus têm grande valor para que as pessoas das carreiras do Serviço Exterior possam fazer escolhas importantes da vida de maneira mais consciente e segura. Além disso, despertam um interesse geral e aproximam o público lusófono e, mais especificamente, o de nosso país de uma realidade distante, desconhecida, completamente inacessível há pouco tempo. Suas impressões sobre o Gabão enriquecem o acervo de informações em língua portuguesa sobre os recônditos do mundo, ampliam e diversificam a imagem do mundo para os brasileiros. É um luxo para nossos concidadãos terem uma correspondente tão qualificada aí. Não esmoreça nesse trabalho. Quanto às opções de leitura em português terem acabado, não sei se você sabe, mas podemos usar o espaço remanescente das malas diplomáticas para a remessa de livros e de DVD. Se você não tinha quem fizesse isso por você, não me custará quase nada. Por último, também tenho um pedido, como outros leitores: quando você comentar sobre o alto custo de alguns itens em Libreville, seria possível esclarecer se a remuneração específica é baixa, alta ou mediana em relação a esses custos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ramon! Fico ainda mais entusiasmada ao ver que estas informações podem, realmente, ser úteis. Sobre a mala diplomática, ela demora um pouco para ir e vir, e eu acabei não me programando bem, mas agora já recebi umas revistas novas e logo chega outro pedido. Muitos de nossos amigos ainda estão em Brasília e estão nos ajudando muito!
      A respeito do alto custo de alguns produtos, que eu sempre comento, é em relação ao Brasil e ao Real, mas aqui ganhamos em dólar e estamos vivendo com muita tranquilidade. Vou seguir a sua dica e comentar melhor a situação em posts futuros! Qualquer outro pedido de informações fique à vontade para fazê-lo, só vai enriquecer o nosso blog! Obrigada novamente!

      Excluir
  4. Em suma, "estar preparada para o pior é sempre melhor... a estadia se torna mais agradável". Meu lema de vida! Hahaha!

    Bem útil o post. ;)

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde, Celina!

    Parabéns pelo blog que, na qualidade de "quarto-secretário", acompanho diariamente rs...

    Como é a remuneração de um diplomata quando no exterior? É de alguma maneira semelhante aos vencimentosque teria no Brasil?

    Desde já agradeço
    Vinícius Silva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Vinícius! Comentários e perguntas são sempre bem-vindos!

      O salários para os funcionários que saem em missão ao exterior variam de acordo a categoria em que o posto está A, B, C ou D. Para classificar um país, leva-se em consideração uma série de fatores: condições e custo de vida, representatividade, questões de segurança, saúde, periculosidade, restrições idiomáticas, religiosas e culturais, assim como a lei de oferta e da demanda... Assim, os postos A são aqueles de maior representatividade, com condições melhores de vida e maior procura e os de postos C e D, os mais difíceis. É basicamente e resumidamente esta a forma de classificar os postos.

      No Brasil, o diplomata no início de carreira recebe cerca R$12.000,00 brutos, sendo um pouco mais de R$9.000,00 líquidos. No exterior, independente do país, o diplomata recebe em dólar e o salário será de acordo com a categoria do posto escolhido e de análises do custo de vida local. Mesmo que os salários sejam mais altos nos postos C e D, os custos de vida (muitas vezes altíssimos) e a dificuldade de vida nestes países acabam sendo os lugares que nem sempre possuem a quantidade estimada de funcionários.

      Todos os países e Organismos Internacionais (como a ONU) adotam formas de classificar os postos de trabalho no exterior, podendo ser mais ou menos detalhados, com maiores ou menores benefícios.

      Espero ter ajudado! ;)

      Excluir
  6. Sim, Celina, ajudou perfeitamente, obrigado! Sigo firme em meu propósito, e afirmo com todas as letras que seu blog tem mantido vivo e palpável o objetivo de ingressar na carreira.

    Felicidades ao casal
    Vinícius Silva

    ResponderExcluir
  7. Primeiramente parabéns pelo blog. Muito interessante pra quem quer buscar mais informações sobre a carreira diplomática e o dia a dia em família no exterior. Minha dúvida é sobre o oficial de chancelaria, pelo fato de não encontrar muita informação pela Net, vc teria uma idéia de quanto um oficial de chancelaria em início de carreira ganharia em dólares ai no Gabão?
    É categoria D ou C o Gabão?
    obrigado,
    Delano Cruz

    ResponderExcluir