sexta-feira, 24 de agosto de 2012

African Print

O guarda-roupas africano entrou na moda! Além das já conhecidas oncinhas e zebras, agora as alegres estamparias africanas estão caindo no gosto do mundo fashion. Elas estão em saias, vestidos, casacos, lenços, bolsas, etc... Além das passarelas, várias celebridades andam desfilando seus modelitos por aí!




                                                                     


Ops!

Por mais que hoje não consigamos pensar na África sem suas coloridas estampas, o mais incrível é que elas não são completamente originárias daqui. Elas teriam sido trazidas da Indonésia, onde são conhecidas como batiks, pelos holandeses, exímios comerciantes que colonizavam aquela região (a qual chamavam de "Índias Orientais". 

A empresa VLISCO, criada em 1846 por Pieter Fentener van Vlissingen, produzia em escala industrial os batiks e vendia na Indonésia. Mas, os produtores locais inventaram uma técnica que deixava os tecidos muito baratos, o que tornou inviável a produção holandesa, que passou a buscar novos mercados. Os tecidos chegam à África em 1876, adaptam-se ao gosto local, popularizam-se e a empresa fez daqui o seu maior mercado até os dias de hoje. 


A marca virou grife luxuosa, produz peças com design exclusivos, lançando novas coleções a cada 3 meses. Atualmente, possui lojas próprias no Benim, Togo, Nigéria, na República Democrática do Congo e na Costa do Marfim, mas também pode-se encontrar tecidos da marca em diversos outros países africanos, como aqui no Gabão e claro, na Holanda.

Contam ainda que os tecidos podem ter chegado à África por meio dos comerciantes hindus ou mesmo por soldados africanos que teriam lutado na Indonésia entre 1800 e 1862 e retornado à África com a técnica.História à parte, o fato é que essas estampas tornaram-se o principal símbolo da moda e da cultura africana. No Brasil, é possível encontrar os tecidos africanos, principalmente na Bahia.

Com a popularização das estampas, surgem outros pólos de produção dos tecidos, principalmente na Nigéria, Gana, Benim e na China.  São 100% algodão e costumam não manchar. Caracterizando-se por estampas fortes e de cores vivas ou mesmo em tons bem escuros.

Aqui na África é fácil encontrar lojas com pilhas e pilhas de tecidos à venda por precinhos camaradas e mais fácil ainda será encontrar um costureiro que fará sua roupa com grande destreza! 


Eu prefiro os tecidos de estampas mais leves, como os da foto abaixo. São mais difíceis de encontrar, mas mesmo assim já tenho saia, vestido, blusinha e estou pensando em algo para o próximo tecido! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário