Pular para o conteúdo principal

Capoeira - Raízes do Brasil

Depois do grandioso evento da Beija-Flor no Gabão, tivemos mais uma oportunidade de mostrar um pouquinho do nosso Brasil em terras africanas. Mais do que isso, foi um retorno às origens brasileiras, com o talentoso grupo de capoeira 'Raízes do Brasil'.

O grupo do mestre Ralil Salomão (formado por brasileiros e africanos de São Tomé e Príncipe) além de mostrar a técnica e a beleza dessa arte, ainda doou instrumentos para um pequeno grupo de capoeiristas gaboneses, que conheciam a capoeira apenas através de vídeos.

Mais um evento cheio boas energias, alegria e trabalho, muito trabalho! A organização do evento já é algo que demanda um certo tempo, paciência e torcida - para que nada dê errado. Mas imprevistos acontecem, não é? 

Um dia antes da chegada do grupo surgiu uma conferência, que duraria 2 dias, e meu marido precisava comparecer. Motorista da embaixada com malária. Era preciso alguém para recepcionar o mestre Ralil e os capoeiristas, além de ajudar nas questões da imigração, da bagagem, traduzir, levar ao hotel... Sim, eu fui. Diplomatriz em ação.



Fui ao aeroporto, ao hotel e depois ao ensaio. Levei para o almoço e enquanto eles almoçavam comprei água, gelo, refrigerante e encomendei sanduíches para o grupo comer à noite. Fui para o hotel novamente e para a apresentação - com o carro cheio de atabaque, tamborim, berimbau e também com a água, o refrigerante, os sanduíches... a noite da apresentação seria longa! E foi. E foi linda! 

Quantos momentos especiais!














Comentários

Postar um comentário

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…