Pular para o conteúdo principal

E começa a preparação...

No dia 09 de dezembro de 2011, foi enfim definido o país que iríamos: Gabão, na cidade de Libreville.




Como eu havia comentado, nos casamos no dia 11 de dezembro e adivinhem o principal assunto da nossa lua-de-mel? A mudança. Bom, foram tantas coisas a serem providenciadas, tantos assuntos que nem imaginávamos que teríamos que lidar... Sinceramente, pensávamos que tudo isso seria mais simples e rápido, mas não foi.

Primeiramente definimos a data de partida - 20 de março. Retornamos da lua-de-mel dia 01 de janeiro de 2012, ou seja, teríamos cerca de 3 meses para nos organizarmos. No Gabão, fala-se francês e eu tive um mínimo contato com esta língua ao longo da vida, então esse foi o primeiro desafio. Fiz curso intensivo de francês durante os meses de janeiro e fevereiro. Aulas diárias somadas a exercícios de leitura em casa. Não tive muita dificuldade e gosto da língua.

Posso até dizer que as aulas diárias de francês foram a parte mais fácil e tranquila desta odisséia. Formulários, formulários e formulários! Passamos diversas noites preenchendo formulários e muitos dias em cartórios. Burocracia e lentidão. Foram transferências de veículos, vendas, procurações, registros de firma, autenticações, inspeções veiculares, taxas, taxas, taxas e mais taxas. Boa parte da ajuda de custo para a remoção vai nisso.

Também tem a parte médica. Além das infinitas pesquisas sobre a geografia, história e lazer de Libreville, também foram horas, dias, semanas, pesquisando sobre as doenças e formas de prevenção. Logo no início das nossas buscas um fato muito triste ocorreu. Uma jovem diplomata brasileira havia realizado uma visita a trabalho em um país da África (em que acompanhou o Ministro Patriota a Malabo - Guiné Equatorial) e devido ao diagnóstico tardio acabou falecendo. Este fato foi recebido com grande comoção e nos alertou para o perigo que estamos sujeitos. E isso nos fez aumentar as pesquisas a respeito da malária. E se antes nem pensávamos em levar qualquer tipo de repelente, as pesquisas nos mostraram que existe apenas um tipo de repelente no Brasil que pode ser usado para a prevenir a picada de mosquitos transmissores de malária. Entramos em contato com o laboratório e compramos diversas unidades deste repente. Sim! DIVERSAS! Também, inclui-se nesse pacote de medicamentos, compras de mosquiteiros e ainda uma longa lista de medicamentos de primeiros socorros e vacinas. Ou seja, uma relevante parte da ajuda de custo providenciada pelo Governo para a remoção de diplomatas (pelo menos para áreas de risco, ou seja, postos D) é utilizada para a saúde.

E claro, a mudança em si. Serão 60 dias (eu espero) para que nossa mudança chegue em Libreville. Irá por via marítima. Sendo assim, resolvemos despachar nossas coisas no dia 28 de fevereiro, assim, ficaremos apenas 1 mês em Libreville como nômades. Tempo ideal para procurarmos uma casa e chegar a mudança. Hoje nossa vida já começa a parecer um acampamento! Malas praticamente prontas, caixas de papelão e toda aquela confusão... vendemos a geladeira e a máquina de lavar roupas (por possíveis problemas de frequência que poderia existir com os motores) A geladeira já se foi. Sobrou o isopor (!)

Finalizando este longo post, porém bastante resumido, eu não poderia deixar de falar que a ansiedade é grande, a empolgação inicial vai aos poucos se tornando em saudade e mesmo Brasília passa a ter aquele ar de despedida... Após 1 ano e 2 meses de vida em Brasília eu só consigo lembrar de bons momentos. Boa música, muitas festas e amigos, verdadeiros amigos!

Comentários

Postar um comentário

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…