Pular para o conteúdo principal

Etiqueta Diplomática

Os últimos dias foram cheios de atividades. Sempre surgindo coisas novas, felizes descobertas! Aconteceu de tudo, cafés com brasileiras, festa de premiação do "Club du Golf" na Embaixada da Espanha, comemoração da União Nacional da "République du Cameroun", café-da-manhã do grupo de mulheres estrangeiras de Libreville, aulas de francês e assim vai... 

Toda essa movimentação me deixou muito feliz pois, percebi (e outras pessoas também) que meu francês melhorou muito! Após apenas quase 2 meses já estou me comunicando bem, é uma vitória, não? Nada se compara ao aprendizado por imersão....

Aproveitando a agitada semana de eventos sociais, e a falta de tempo para terminar minhas pesquisas para o próximo post sobre a moda africana, lembrei-me que há umas semanas atrás eu enviei um e-mail para algumas amigas diplomatrizes que estão em Brasília. No e-mail eu comentava como estava sendo nossa adaptação e todas aquelas coisas boas de compartilhar com os amigos, porém, fiz questão de compartilhar com elas alguns dos meus novos conhecimentos a respeito da "etiqueta diplomática". Então, resolvi escrever sobre o tema.   

Eu, acostumada com as informalidades do setor privado, com o atraso das reuniões com aquela desculpa básica do trânsito, o atraso de entrega de projetos por "problemas técnicos" e aquela certa liberdade de tratar de temas e de explicitar sua opinião em discussões de reunião de equipe de trabalho, me deparei com as formalidades do protocolo diplomático, muito preciso e bastante pontual.

Ou seja, além de lidar com um mar de situações novas, ainda é preciso aprender algumas regrinhas básicas para não tropeçar na etiqueta. Claro que eu não vou expor aqui os nossos micos - poderia perder a credibilidade, hehe - mas quero compartilhar algumas impressões desse meu restrito universo de míseros 2 meses de experiência. 
Como sabemos, excessos são os maiores inimigos do sucesso. Excesso de gentileza, de silêncio, de conversa, de queixas, de elogios, de bebida, de cigarro, de comida... Equilíbrio é tudo! Mas, além disso, tem a parte "técnica". 

  • O convite. Leia com atenção. Todos os detalhes estarão descritos lá. É preciso se atentar, inclusive, ao que não está escrito!
  • O horário marcado no convite deve ser respeitado. Caso chegue 15 minutos mais tarde, vai perceber que todos já estarão lá e você terá mais pessoas para cumprimentar... O anfitrião também pode já não estar na porta.
  • Quando se diz traje esporte, não siga à risca indo com a camisa do seu time brasileiro e nem com seu "All-star azul de cano alto". 
  • Surpreendentemente, um convite escrito "gala" pode não significar vestido longo e smoking. 
  • O termo "roupa tradicional" em convites, serve para países que utilizam roupas especificas em sua cultura, como na África, Índia, os árabes e etc... 
  • Eventos que não explicitam o traje no convite são raros, mas já passamos por isso. Tente saber antes qual é o traje adequado, caso não seja possível, use o bom senso. Caso ainda assim não dê certo, use medidas de emergência ou entre no clima e sinta-se a vontade, mesmo sendo um estranho no ninho! rsrs 
  • Carro oficial. O diplomata deve sentar-se no banco de trás do passageiro e o acompanhante atrás do motorista - que irá abrir a porta para essa pessoa. A porta do diplomata será aberta pelo pessoal de recepção da festa. 
  • Ao chegar em uma recepção oficial, antes de cumprimentar qualquer outra pessoa, cumprimente os anfitriões. Cabe fazer elogios à dama e algum comentário (rápido) sobre a festa. E não esqueça de cumprimenta-los e agradecer ao sair! 
  • Não ache estranho ver homens africanos batendo a testa repetidas vezes - é o cumprimento entre aqueles que são amigos de longa data.
  • Casais nao precisam andar de mãos ou de braços dados. Um leve apoio das mãos masculinas nas costas da senhora já é suficiente! 
  • Cumprimente todos (possíveis) ao adentrar. Um aperto de mão basta. Dois beijinhos, apenas entre as mulheres já de seu convívio. 
  • Cuidado com os comentários sobre cultura, política e religião. Mesmo os mais sutis e ingênuos podem soar como uma ofensa. Seja agradável e tente conhecer de verdade os demais países.
  • Ao falar outra língua, certifique-se de que está usando os pronomes de tratamento corretamente. Use sempre a maneira mais formal para se referir aos presentes, especialmente em países francófonos! 
  • Sempre coma a refeição oferecida, principalmente na África! Aqui as pessoas não se preocupam com quem faz pratos montanhosos, mas sim com aqueles que não estão comendo. Já tentamos sair de uma festa sem comer pois tínhamos que seguir para outro compromisso, mas fomos pegos (em meio a cerca de 100 pessoas) e tivemos que voltar e comer! Rsrs.
  • Em eventos islâmicos, cabe às mulheres vestir algo mais discreto, cobrir os ombros e não usar decotes. 
  • Os muçulmanos mais religiosos costumam não comer carne (de nenhum tipo) em festas, pois não sabem como o animal foi abatido. Não é só carne de porco não!
  • Padres bebem vinho. 
  • Ao chegar no país, envie flores à sua embaixatriz. Caso ela chegue depois de você, também envie. 
  • E quanto ao famoso jantar que os recém-chegados deverão oferecer ao seu embaixador e embaixatriz e ainda outras 4 pessoas, conto-lhes mais tarde, estou na fase da organização.

Todas essas dicas (e com certeza muitas outras) podem parecer óbvias para quem está lendo ou para quem já vive ou viveu no meio diplomático, mas, para mim, e acho que para muitos outros, são detalhes que nos deixam meio perdidos no início. Mas percebe-se que toda etiqueta, protocolo tem um motivo: tornar a coisa mais fácil, organizada, clara e porque não, mais natural. De verdade! 

Etiqueta é ter conhecimento!




Comentários

  1. Já ia me gabar de, dessa vez, ser a primeira a comentar e eis que subitamente aparece um comentário! rrsr
    Brincadeirinha viu!? Eu quero é que tenha milhares de comentários mesmo, pois seu blog está legal demais da conta!!!! Aproveito para deixar aqui meu agradecimento em relação ao post "Explicando o termo Diplomatrizzando", fiquei muito emocionada viu!? E oh, não esqueça da idéia do livro, sua escrita nos causa muitas percepções e sentimentos!!! Obrigada, Celina!!! Bjim, Lívia

    ResponderExcluir
  2. Que horror! O único item bom foi: "Sempre coma a refeição oferecida". Isso não será esforço, hahahuahuhauha!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Celina, adorei o post, é muito útil! E estou adorando o blog também.
    Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…