Pular para o conteúdo principal

African Print

O guarda-roupas africano entrou na moda! Além das já conhecidas oncinhas e zebras, agora as alegres estamparias africanas estão caindo no gosto do mundo fashion. Elas estão em saias, vestidos, casacos, lenços, bolsas, etc... Além das passarelas, várias celebridades andam desfilando seus modelitos por aí!




                                                                     


Ops!

Por mais que hoje não consigamos pensar na África sem suas coloridas estampas, o mais incrível é que elas não são completamente originárias daqui. Elas teriam sido trazidas da Indonésia, onde são conhecidas como batiks, pelos holandeses, exímios comerciantes que colonizavam aquela região (a qual chamavam de "Índias Orientais". 

A empresa VLISCO, criada em 1846 por Pieter Fentener van Vlissingen, produzia em escala industrial os batiks e vendia na Indonésia. Mas, os produtores locais inventaram uma técnica que deixava os tecidos muito baratos, o que tornou inviável a produção holandesa, que passou a buscar novos mercados. Os tecidos chegam à África em 1876, adaptam-se ao gosto local, popularizam-se e a empresa fez daqui o seu maior mercado até os dias de hoje. 


A marca virou grife luxuosa, produz peças com design exclusivos, lançando novas coleções a cada 3 meses. Atualmente, possui lojas próprias no Benim, Togo, Nigéria, na República Democrática do Congo e na Costa do Marfim, mas também pode-se encontrar tecidos da marca em diversos outros países africanos, como aqui no Gabão e claro, na Holanda.

Contam ainda que os tecidos podem ter chegado à África por meio dos comerciantes hindus ou mesmo por soldados africanos que teriam lutado na Indonésia entre 1800 e 1862 e retornado à África com a técnica.História à parte, o fato é que essas estampas tornaram-se o principal símbolo da moda e da cultura africana. No Brasil, é possível encontrar os tecidos africanos, principalmente na Bahia.

Com a popularização das estampas, surgem outros pólos de produção dos tecidos, principalmente na Nigéria, Gana, Benim e na China.  São 100% algodão e costumam não manchar. Caracterizando-se por estampas fortes e de cores vivas ou mesmo em tons bem escuros.

Aqui na África é fácil encontrar lojas com pilhas e pilhas de tecidos à venda por precinhos camaradas e mais fácil ainda será encontrar um costureiro que fará sua roupa com grande destreza! 


Eu prefiro os tecidos de estampas mais leves, como os da foto abaixo. São mais difíceis de encontrar, mas mesmo assim já tenho saia, vestido, blusinha e estou pensando em algo para o próximo tecido! 


Comentários

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…