Pular para o conteúdo principal

És tu Brasil

Nas últimas semanas acompanhei de perto a movimentação da mudança de endereço de nossa embaixada. Após mais de 20 anos ocupando o primeiro andar de um modesto e antigo prédio, agora a embaixada está em uma casa, também antiga, porém em um local com maior visibilidade.




Embaixador de férias, poucos funcionários e todos homens... aí não teve jeito, entrei no meio da arrumação e foi trabalho, muito trabalho!

Foi muito prazeiroso cuidar desse pedacinho de Brasil na África. Após todo o trabalho, ver finalmente a bandeira no céu de Libreville deixou-me muito feliz!


Nossa embaixada aqui não tem nada do luxo que se imagina de uma embaixada. Nada de obras de arte, nem de quadros de artistas famosos, nem lustres do século XVIII... Ao contrário, nossos móveis já estão desgastados e tem aquele ar de prédio público anos 70. 

De qualquer forma, é aqui que 4 funcionários do Itamaraty e outros 5 funcionários locais dão seu melhor a cada dia! E mesmo os que não são brasileiros - como no caso dos funcionários locais - a milhares de quilômetros de distância, eles conseguem sentir o orgulho de trabalhar para o Brasil, mais do que muito brasileiro que eu já conheci!


Nesta semana de comemorações à Independência do Brasil, faz bem vermos o lado bom do Brasil, e são tantos! Acredite, o mundo quer ser brasileiro!

Não são raros os casos de pessoas que chegam na embaixada buscando suas raízes brasileiras, querendo se tornar efetivamente brasileiros. Os postos diplomáticos estrangeiros em Brasília estão disputadíssimos, assim como as oportunidades de trabalho na esfera privada. O sonho da maior parte dos africanos é conhecer o Brasil. Quanto a nós, brasileiros tão distantes fisicamente de nossa pátria, nos resta:
  • abrir um sorriso ao ver todo mês uma reportagem sobre o Brasil nas principais revistas do mundo, 
  • cantar alto músicas brasileiras nos Top Hits musicais, 
  • fazer lista dos clipes de cantores estrangeiros que mostram o Rio de Janeiro e Salvador,
  • querer falar com todo mundo que usa a camiseta do Brasil - MUITA GENTE, 
  • querer comprar havaianas e tudo o mais que vem do Brasil para ajudar a economia brasileira, 
  • dizer ser brasileiro tendo a certeza de um retorno animadíssimo de seu ouvinte. 
Definitivamente, morar fora do Brasil é ser ainda mais brasileiro!

Pátria Amada, Brasil!




Comentários

  1. Olá! Sou de Curitiba e sempre acompanho seu blog! Meu namorado quer ser diplomata e eu pretendo acompanhá-lo, porém tenho algumas dúvidas! Como é a vida de esposa de diplomata? Vocês ficam quanto tempo ( em média) em cada país? Obrigada desde já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Giovana! Obrigada pelas visitas!
      Desejo que seu namorado alcance este objetivo o quanto antes! Todo o processo do concurso é longo e exige muita dedicação, mas vale a pena! Após passar no concurso, é necessário fazer o Instituto Rio Branco, o curso de formação de diplomatas durante 1 ano, em Brasília. Após este período, os diplomatas farão 6 meses de estágio em um dos departamentos do MRE para então optar por um posto no exterior, ou permanecer trabalhando em Brasília. Optando por sair do Brasil, o tempo médio em cada país é de 2 a 4 anos, podendo variar.
      Se você não tem a intenção de também ser diplomata - o que seria muito legal vocês dois juntos na mesma profissão, você poderá continuar com seus planos profissionais. Exige algumas reorganizações, como mudar-se para Brasília primeiramente, mas é possível dar continuidade à sua carreira. Nos casos em que isso não é possível, o ideal é aproveitar essa oportunidade de morar em outros países, para fazer cursos de aperfeiçoamento, línguas ou mudar totalmente seus planos de carreira e também estudar para os concursos do MRE: Diplomata ou Oficial de Chancelaria, como é o meu caso.
      No mais, vocês dois juntos vão descobrindo a melhor forma de conciliar as carreiras, sem que ninguém sinta-se frustado. E claro, esposa de diplomata é esposa e este é o principal título que se pode ter! Beijos e boa sorte à vocês!

      Excluir
  2. Noooossa, olhar aqueles relógios, lado a lado, deve dar uma saudaaaade... =D

    Tomara que o Google Street View chegue logo aí, para eu passear virtualmente pelo Gabão, hehe! Na África, só tem Street View na África do Sul.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem sabe quando as ruas tiverem nome e as pessoas tiverem como informar o seu endereço! Junto com o Google Street View chegaria o delivery, o GPS, as cartas... A prefeitura de Libreville está pensando no assunto, espero que ponham o plano em ação em breve! =)

      Excluir
    2. Tomara! Sem contar que o Google Street View vai ser uma mão na roda para escolher lugares para remoção, né? =)

      Tem tanto lugar underground no mundo com Street View que acho que não só o Gabão como toda a África vão entrar em breve. Está crescendo rápido. Há pouco, no Brasil, só tinha no Rio, SP e MG. Agora, já tem em boa parte do país, incluindo Brasília. Tomara que chegue logo aí! =)

      Excluir

Postar um comentário

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…