Pular para o conteúdo principal

Futebol

Aqui no Gabão o futebol também é a Paixão Nacional! Amistoso ou não, o jogo da Seleção sempre leva milhares de gaboneses ao estádio.


Inaugurado em novembro de 2011, o Stade d'Angondjé ou Stade de l'Amitie foi construído em parceria com o governo chinês para a Copa Africana de Nações, ocorrida no início deste ano.


Em um jogo classificatório para a próxima Copa Africana de Nações, fui assistir Gabão x Togo! Sinceramente, eu não conheço muitos estádios de futebol no Brasil, mas o estádio daqui chegou muito próximo da qualidade do estádio do maior e melhor time do Brasil, a Arena da Baixada! Só que ao invés do rubro-negro do meu Furacão, temos o tricolor verde-amarelo-azul! =)



O estádio fica um pouco afastado do centro da cidade, em uma área em que a cidade começa a se expandir. O acesso ainda não é muito facilitado, pois uns 4 quilômetros antes da chegada ao estádio - caso você não tenha uma credencial de acesso  -  é preciso deixar o seu carro em estacionamentos improvisados e seguir em vans que fazem o transporte até o estádio. Depois dessa aventura de esperar uma van, conseguir entrar e chegar no estádio, o desafio é encontrar o seu portão de acesso... É tudo muito bem sinalizado, mas andar de baixo do sol africano é um pouco cansativo.


Enfim, é encontrar uma sombra e admirar as faces tensas na expectativa de um gol, a alegria no "quaaaaseee" e a incrível organização desse povo! Nunca vi um estádio tão calmo, onde todos sentam nas cadeiras devidamente designadas em seus ingressos e que cuidam desse bem público como a grande jóia da nação!




Saímos no intervalo do jogo, para evitar o tumulto da saída.  Não vi nenhum papel no chão, o banheiro estava limpo e bem cuidado, não vi tumulto ou confusão em nenhum momento (nem nas vans, nem na entrada, nem nos arredores do estádio!  Com certeza irei no próximo jogo!  

Comentários

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…