Pular para o conteúdo principal

Encontros II

A comunidade brasileira no Gabão é bastante pequena. Em torno de 70 pessoas, boa parte religiosos vivendo no interior do país. Cerca de 20 moram em Libreville, a maioria brasileiras que se casaram com gaboneses quando esses realizavam seus estudos superiores no Brasil. Teve uma brasileira, porém, que não quis embarcar para Gabão... E aí começa a história que conto hoje, a história do Fábio. 

Nosso amigo Fábio nasceu no Brasil e tem sobrenome gabonês. Desde pequeno sabia que seu pai era africano e que sua mãe não havia aceitado a proposta do então companheiro de embarcar com ele de volta para o Gabão. Fábio passou quase 30 anos pronunciando errado o seu sobrenome e sem saber quase nada sobre seu pai, senão o nome. Um ano atrás ele finalmente ouviu a pronúncia correta do seu sobrenome pela primeira vez, quando veio ao Gabão conhecer seu pai. 

O caminho de Fábio até chegar aqui foi longo. A mãe havia perdido o contato com o pai, o que fez com que ele, ainda na adolescência, tenha iniciado a buscar pistas na internet, quando o Google ainda mal existia. Muitos anos depois, em um site de bate-papo, encontrou um rapaz africano que acabou se provando ser seu meio-irmão. Mesmo com as dificuldades linguísticas, eles passaram a se comunicar e o Fábio decidiu fazer a grande viagem rumo às suas origens. Veio a Libreville de mente, espírito e coração aberto. Encontrou não apenas seu pai, mas seus irmãos, tios, tias, primos, avós e as esposas de seu pai (sim, aqui é permitido!). 

Fábio agora busca conciliar suas atividades profissionais em comércio exterior com o seu vínculo gabonês recém descoberto. Mais do que ninguém, ele quer estreitar os laços Brasil-Gabão. 

Em duas visitas que fez ao Gabão, Fábio já foi para o interior do país de trem e em uma das paradas viu pegadas e rugidos de pantera, visitou vilarejos, foi apresentado aos pratos tradicionais: carne de macaco, cozido de vermes de árvores e várias outras especiarias. Experimentou bebidas de tirar o ser humano de seu eixo por alguns dias, conheceu músicas, histórias, suas raízes. Não foi uma visita turística e nem a experiência vivida pelos expatriados. Foi a imersão imediata no dia-a-dia, nos costumes de uma família verdadeiramente gabonesa... a família dele. 

Em uma dessas noites de calor gabonês (quente, muito quente), presenciei o Fábio e o seu pai conversando sobre suas vidas. O pai, esforçando-se para relembrar o português que aprendera no Brasil quase trinta anos atrás. O filho, dando seus primeiros passos no francês e no batéké, a língua nativa da família. No meio de toda aquela mistura de mundos e recordações, uma coisa ao menos ficava clara: sentimentos não precisam de tradução. 

Nessa noite, ao descobrir que o Fábio tem talento para a música, providencio às escondidas para que ele possa dar uma "palinha" no piano do restaurante. Ele começa a tocar algumas notas, surge um jazz. Impossível não se emocionar ao ver lágrimas no rosto do pai, que acabara de descobrir mais um motivo para se orgulhar do seu filho recém encontrado.

Comentários

  1. Celina, muito obrigado pelo carinho! Aqui está o melhor registro do que foi pra mim conhecer esse país e resgatar minha historia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábio, obrigada por ter compartilhado esses momentos com a gente! Um grande abraço, querido amigo!

      Excluir
  2. Que história maravilhosa. Parabéns ao Fábio por se permitir mergulhar em sua própria história.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Obrigada, Helena! Foi um momento realmente lindo, emocionante.

      Excluir
  4. A forma como esta história é narrada realmente emociona, especialmente a quem conhece o Fábio de pertinho, um um tão corajoso e que é todo coração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…