Pular para o conteúdo principal

Gabonitudes

Aqui o que faz sucesso é o brochette, ou o nosso famoso "espetinho". Servido na rua ou mesmo nos restaurantes mais badalados pela alta sociedade gabonesa e estrangeira. Podem ser de peixe, camarão ou de carne.

O peixe aqui é muito bom! Bons temperos.

Aqui o endereço é dado pelo nome do bairro, acompanhado da indicação de algum prédio famoso próximo. Nome de rua não existe.

Taxi é o transporte público. Sempre pode entrar mais um! E nem sempre é com cheiro de quem acabou de sair do banho...

Fuma-se em qualquer lugar! Em restaurantes fechados e com ar condicionado pode fumar! Até nos banheiros tem cinzeiro.

Aqui o ritmo é lento. As pessoas costumam dizer: " Tous les blancs ont une montre, mais ils n'ont jamais le temps" ("Os brancos tem relógio, mas não tem tempo")

As pessoas se vestem muito bem! São muito formais. Os homens sempre estão de calça, mesmo no calor que faz aqui e mesmo sendo sábado e estando na praia! Alguns estavam até de blaser!

As mulheres são de uma beleza incrível. Sempre muito bem arrumadas. Quase não vão à praia, e as que vão estão com roupas sociais também e sapatos de salto alto. Apenas algumas crianças usam biquini, sendo a calcinha quase um shorts e mesmo assim ficam um pouco acanhadas na hora de tirar a roupa para ir ao mar. Mas dizem não ligar para a pouca roupa dos estrangeiros. As francesas fazem top less. :o

Do lado de cá não existem idosos. As pessoas não chegam a essa idade, morrem por volta dos 50 anos. Crianças? Essas são muitas! Mas todas estão na escola. Aqui não existe analfabetismo!

Moram aqui cerca de 70 brasileiros. Muitas missionárias, mas também comerciantes de sucesso. Conhecemos uma brasileira que dá aulas sobre cultura brasileira na universidade.

Terra de muitos estrangeiros. Europeus, árabes, chineses e muitos outros africanos que vêm a Libreville em busca de uma vida melhor.

É comum encontrar alguém que fale português. Tanto pela proximidade de 300 km de São Tomé e Príncipe (de colonização portuguesa) como por causa do Brasil. Gostam muito de nosso país. Camisas do Brasil não são raras. Até do Corinthians já vi.

O pessoal da embaixada é muito gentil. Estão nos ajudando em tudo! O embaixador também.

Cartão de crédito não existe. Aqui é dinheiro vivo! Para comprar um carro levaremos uma maleta!

Os preços são altos, mas tem cervejas holandesas baratas. E alguns itens tem preços melhores que os de Brasília.

Ruas asfaltadas. Um problema é o lixo. Está por tudo. Nas ruas e na praia. Falta o governo se atentar a isso.

A malária é comum, mas quando percebem os sintomas imediatamente se automedicam. Tem gente que já pegou mais de 20 vezes. Ninguém usa repelente. Nós usamos.

A cidade é segura. Tem uma vida noturna agitada. Muitos bares e bons restaurantes. Só começamos a conhecer...

E esse pôr-do-sol no mar é incrível... Libre ville!!!




Comentários

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…