Pular para o conteúdo principal

Férias e feira

Aos poucos a vida vai retomando seu curso aqui em Libreville. E quando eu digo "o seu curso aqui em Libreville" é porque realmente sinto que cada lugar tem o seu ritmo, seus atalhos, seus sustos... Nos últimos dias, fiquei a observar a cidade, as pessoas, o clima.

O clima está mais fresco do que quando chegamos aqui em meados de março. À noite tem-se uma refrescante brisa do mar e mesmo nos dias em que o sol está mais encoberto pelas nuvens dá para sentir um ventinho no estilo outono brasileiro! Está bem agradável. 

Aqui, segue-se o calendário francês. Então, estamos em plenas férias de verão. A cidade fica um pouco mais vazia. Mas parece-me que a população que precisa permanecer na cidade aproveita um pouco mais a praia!






E eu também! rsrsrs

Temos descoberto bons lugares para aproveitar o final de semana. Neste fomos a uma feira de produtos de Ruanda. Gostamos muito do café produzido por lá e da macadâmia - ambos muito saborosos! Compramos também farinha de mandioca, cuja técnica de aprimoramento da produção eles aprenderam com o Brasil, como nos explicou o expositor sem saber de onde nós erámos. Agora eles produzem muito bem a mandioca em toda a região. Quando dissemos que éramos brasileiros, foi uma festa!


Ainda lembro que eu me emocionei muito ao assistir o filme Hotel Ruanda e analisar o caso nas aulas de Direitos Humanos, e foi, portanto, muito legal conhecer um pouquinho melhor esse povo, que tanto sofreu com o genocídio nos anos 90 e tem surpreendido o mundo com a sua rápida reestruturação e desenvolvimento.


Comentários

  1. Olá Celina, adorei seu Blog! Meu namorado irá tentar pela primeira vez a prova no ano que vem, mas já estamos super ansiosos e torcendo para que ele chegue lá o mais tranquilo o possível.. Gostei do seu blog pelo mesmo motivo que explicou o termo diplomatrizzando. Busquei muito sobre esposas de diplomatas e as respostas são poucas. Sou médica, me formei em 2010 e atualmente faço residência em dermatologia (concluo em jan/2014). Você imagina minha angústia ao saber da decisão do meu namorado... Meu sonho era montar um consultório e ser feliz aqui no Brasil mesmo! Só que acabei embarcando no sonho dele! E depois de ver seu blog então... A vontade foi maior ainda! Sei que ainda estamos bem longe da carreira diplomática (já que nem prova ele fez), mas as decisões já pesam nos meus ombros. Você sabe se na área médica as diplomatrizes conseguem manter a carreira? Ou não sobra tempo para isso?
    Parabéns pelo Blog!
    Abraços, Rafaela

    ResponderExcluir
  2. Olá Rafaela! Mantenham a calma e sigam juntos na conquista desse sonho! Continue com foco na sua carreira, quando chegar a hora de vocês tudo vai acontecer naturalmente. No nosso caso, optamos por sair do Brasil na primeira oportunidade, mas temos vários (muitos) amigos que estão em Brasília e as diplomatrizes continuam seguindo com suas carreiras normalmente. Ao sair para o exterior, existem diversos países em que você poderá exercer sua profissão ou mesmo buscando especializações. Com certeza você conseguirá manter um consultório no Brasil, mas talvez não com a sua presença em 100% do tempo.... Boa sorte para seu namorado e para você também!!! Qualquer dúvida ou novidade, não deixe de compartilhar! Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…