Pular para o conteúdo principal

O lado B de Libreville

Todos sabem que estamos adorando o Gabãozinho e que o país tem muitos pontos positivos, muito mais do que esperávamos. Mas morar aqui, infelizmente, também é conviver com problemas, com as palavras "doença", "corrupção", "morte"... "descaso". A essência dos fatos nós conhecemos bem no Brasil mas, por algum motivo, na África essas palavras se tornam ainda mais pesadas e, frequentemente, inaceitáveis.

É preciso um "quê" extra de calma, força e prudência, pois os problemas podem ser graves. Vou lhes contar algumas situações que ouvi, presenciei, li...

1 - Certo dia, ficamos sabendo que uma menina de 14 anos fora estuprada perto de sua casa. Após o fato, quando retornava ao seu lar (acompanhada de algumas amigas que, desesperadas, faziam uma grande confusão), ela foi vista pelo seu pai, que logo se inteirou do ocorrido. Quando entraram em casa, o que aconteceu? Ele a pegou nos braços, cuidou dela? Não, ele simplesmente a espancou. Isso pois ele teria dito a ela para "não sair de casa" e, provavelmente, porque tinha aquele sentimento machista de que o estupro sempre é um pouco "por culpa da mulher"... Não satisfeito, cortou os cabelos dela. A mãe, pelo que ficamos sabendo, chegou do trabalho, viu a filha na cama, machucada, traumatizada mas, em vez de cuidar dela, mandou-a para a casa de uma tia, onde a deixou por uns dias, sem falar com ela. O estuprador, por fim, foi preso, mas para que ele continuasse na cadeia e a polícia seguisse a investigar se ele cometeu outros crimes, a família teve de deixar un coca (dinheiro) para o pessoal da delegacia. A menina passou por uma perícia e somente quando o médico afirmou que ela era virgem antes do ocorrido é que a família realmente acreditou no que a menina vinha contando e voltou a falar com ela. Mas, sem dinheiro, ainda não teriam feito os exames de gravidez e HIV... Quanto ao trauma... Esse nem com todo dinheiro do mundo para curar.

2 - Eu já comentei em outro post que aqui os doentes mentais andam à solta, que não há capacidade para todos eles no único hospital psiquiátrico que existe. Há alguns dias, a pequena Imaculada, uma linda menininha equato-guineense de 4 anos, sobrinha de uma das moças que fazem a limpeza aqui em casa, foi pega por uma pessoa com problemas psiquiátricos graves e atirada ponte abaixo num viaduto de Libreville. Saiu na primeira página do jornal, triste manchete principal. Como ela era filha de estrangeiros pobres, o governo não pagou as despesas do funeral. Sorte que a embaixada da Guiné Equatorial se solidarizou e ajudou a família.

Malade et meurtrière, "doente e assassina". Como dizem por aqui: C'est la Gabonitude, hã?!

3 - Outro dia, uma amiga foi parada, em seu carro, por dois policiais em uma das ruelas da cidade, confusa e sem sinalização. Sem saber, ela havia entrado na contramão. Quando encostou o carro, os policiais pediram seus documentos em um tom autoritário. Enquanto ela os apresentava e gastava seu francês se explicando e se desculpando (ela também não-francófona), tomava o que classificou como "a maior bronca dos últimos tempos". Depois de alguns minutos de censuras públicas cheias de gestos (por ter entrado na contramão!), o policial entrou no seu carro, sentou-se no banco do passageiro, ao seu lado e informou que a multa seria de 48 mil francos (cerca de 96 dólares) para pagamento imediato. Sentindo-se completamente vulnerável, ela pagou o valor, pegou seu documento, levou outra bronca do tipo nunca mais faça isso e foi embora sem recibo e com muitas pessoas observando toda a movimentação. Corrupção deslavada. Vergonha.

4 - Tem também a questão do excesso de crendice. A fé tradicional africana tem alguns aspectos socialmente construtivos, assim como as religiões ocidentais. Mas em muitos momentos, a coisa toma proporções exageradas. Um exemplo foi um programa de TV que vimos esses dias, em que se debatia se os AVCs teriam causas místicas. Ao final do debate, o consenso era de que SIM, derrames seriam geralmente causados por bruxaria e que, por isso mesmo, seria importante promulgar uma lei para por na cadeia "bruxos" que comprovadamente causassem derrames ou outras doenças, como cânceres. Pode? Inquisição, versão século XXI.

Quero ver como eles iriam fazer essa comprovação... E infelizmente a população acredita demais em macumba, a ponto de chegarmos aos terríveis "crimes rituais", quando pessoas são assassinadas para que seus órgãos sejam usados em rituais de magia negra. Segundo a "Association de Lutte Contre les Crimes Rituels" do Gabão, quase 50 pessoas são assassinadas ao ano, o dobro se for ano de eleição... Mas a esse assunto eu retornarei em breve.

Comentários

  1. Nossa, chocada!! Coitada dessa menina que sofreu violência sexual. É deprimente ouvir histórias de pessoas que ainda acusam as mulheres que sofreram com isso de serem culpadas, ainda mais pessoas da família como no caso dela, o preconceito ainda é muito forte em vários aspectos com relação a isso e parece que a cada dia que passa, ao invés de melhorar isso só piora. Mas não podemos nos conformar.!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão cultural aqui também pesa muito. Percebo que é uma sociedade ainda mais machista/paternalista do que a brasileira. Muitos países da região estão comemorando agora seus 50 anos de independência, os governos começam a viver uma certa democracia. Paralelamente às questão políticas, as mulheres recém começaram a sua própria independência. A caminhada ainda é longa, infelizmente.

      Excluir
    2. Uma região que tem muito o que desenvolver ainda, em vários aspectos.

      Excluir
  2. Adoro ser repetitiva: " Seu Blog está MUITO bom!!! Cada post melhor que o outro!" Pena que nem sempre seja possível escrever só sobre coisas boas não é?! De qualquer forma, a visão crítica da realidade é uma forma de mudá-la!!!
    Sugestão para um próximos post: Visita dos sogros a Libreville!!!
    Espero que em breve sua sogra esteja 100% para que mais uma vez eu possa viver momentos interessantes ao ler sue blog!

    Bjim, Lívia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga! Está indo muito bem a recuperação da minha sogra, o pior momento já passou! Já estamos retomando planos de viagens!!! Saudades de vocês dois! Beijos

      Excluir

Postar um comentário

POSTS POPULARES

Esposa de Diplomata - Parte I

Nossas aventuras pela África continuam!  Recentemente completamos 1 ano em África. Foi um ano de muitas novidades, tantas descobertas, cores, paisagens, sabores!
Além da oportunidade de morar em Libreville ainda conseguimos conhecer outras cidades africanas: Joanesburgo, São Tomé, Cotonou, Luanda, rápidas passagens por Adis Abeba e Ponta Negra, e ainda a linda Cidade do Cabo! Cada uma dessas cidades deixou sua marca especial na minha memória e impressões daquelas que só se pode ter vendo com seus próprios olhos. 
Ainda temos muitos planos de viagem e amigos para visitar na África. Vamos tentando assim conhecer um pouquinho mais esse continente tão incrivelmente cheio de riquezas naturais, humanas, gastronômicas, religiosas, étnicas, idiomáticas... 

Quanto à experiência da vida diplomática, eu diria que agora me sinto um pouco mais situada e recompensada pelas difíceis decisões de deixar o Brasil, meu trabalho e tantas outras coisas e sonhos. Ganhei, no entanto, em um ano o que eu não ganh…

Falando em tecidos...

Fazer este blog tem me feito notar coisas que eu normalmente não notaria. Além disso, tenho cada vez mais percebido que escrever é uma arte! É difícil reler suas próprias produções depois do calor do momento; sempre quero mudar algo, incluir, tirar, enfim... Peço desculpas pelos errinhos e espero continuar passando a vocês esta experiência da forma mais clara, leve e objetiva possível. 

Falando na arte da escrita, lembrei da contracapa de um livro que ganhei da querida diplomatriz Carollina Tavares, que diz: "O escritor não é alguém que vê coisas que ninguém mais vê. O que ele simplesmente faz é iluminar com os seus olhos aquilo que todos veem sem se dar conta disso. (...) para que o mundo já conhecido seja de novo conhecido como nunca foi." (Rubem Alves)

Na África, descobri que a escrita pode ter milhares de formas e cores! Aqui, até o estampado de uma roupa é uma forma de expressão. A estampa fala por si só, cada uma delas explicita um sentimento, uma situação, um nome, um p…

Mariage coutumier: o casamento tradicional no Gabão

Hoje vou tratar de um tema complexo e com implicações sobre a questão de gênero, o mariage coutumier (casamento tradicional), bastante comum no Gabão e em diversos países africanos. A cerimônia terá particularidades mesmo dentro de um país, a depender da região e da etnia a que os noivos pertencem.
É sem dúvida um dos rituais mais interessantes e tradicionais da cultura gabonesa, mas, como é comum nas instituições sociais, tem suas controvérsias.

O grande dia

De quinta a domingo se você ouvir sirenes e ver comboios de carros escoltados pela polícia, lotados de pessoas (incluindo em cima de caminhonetes) vestindo as mesmas cores e em clima de comemoração, não tenha dúvidas: não é revolução, é casamento!


Os membros da família da noiva vestem-se com tecidos iguais, que combinam com o tecido da família do noivo.

O tecido ("pagne") é previamente definido e deixado em lojas de tecido da cidade com o nome dos noivos. Os convidados irão coser seus trajes com o tecido escolhido pelos noi…